Unidades de Conservação da Natureza

Patrimônio de toda a humanidade.

As Áreas Naturais Protegidas, aqui no Brasil chamadas de Unidades de Conservação da Natureza, são a forma mais eficiente de proteção da biodiversidade da nossa era. Por meio de suas categorias de proteção, constituem para toda a sociedade, um estoque de capital natural, cultural e social, protegendo a vida em todas as suas formas, gerando valores econômicos e serviços que beneficiam toda a sociedade.

Somos hoje mais de 7 bilhões de seres humanos no Planeta, necessitando cada vez mais de espaço e recursos naturais para viver. O resultado é que pelo menos 50% da Terra já foi profundamente modificada para atender nossas necessidades, ocasionando a extinção de espécies e a destruição de ecossistemas. Em alguns casos o que resta da natureza, das mais de 3 bilhões de espécies que dividem a Terra conosco, só existe dentro das áreas protegidas. As UCs, dessa forma, são amostras do que resta dos ambientes naturais.

A ideia de conservar a natureza é muito antiga. O ser humano, desde o início de sua história na Terra sempre teve seus lugares sagrados, ou de reserva de recursos (como as Florestas de Caça dos Reis, na Idade Média). Na nossa era, no entanto, o marco das áreas protegidas é o Parque Nacional de Yellowstone, criado em 1872 a partir de um pedido da sociedade ao Governo Americano, para que a área não fosse explorada e sim mantida para o desfrute de todos os cidadãos americanos. O conceito de áreas protegidas, então, é antes de mais nada o de um bem social, um patrimônio que é de todos e existe para o bem de todos.

Conservar a natureza, no entanto, vai muito além de proteger plantas e animais, e embora todas as espécies tenham intrinsecamente direito à vida, sabemos hoje que conservar a biodiversidade significa manter a condição para a nossa existência no planeta: a teia da vida intrincada e delicada, precisa de todas as suas formas para continuar existindo e sem ela, serviços essenciais a nossa existência como água, ar puro, solo fértil, polinização de alimentos, segurança climática entre tantos outros não existiriam.

No Brasil, a primeira UC criada, em 1911, foi a Reserva Florestal do Acre, e em 1936, foi decretado o Parque Nacional do Itatiaia.  Desde a promulgação da Lei 9985/2000, quando foi legalmente estabelecido o Sistema Nacional de Unidades de Conservação, temos dois grandes grupos de manejo:

Proteção Integral

Nesse grupo estão incluídas aquelas áreas que por serem extremamente importantes e raras, possuem as maiores restrições de uso, pois o objetivo maior  desse grupo é garantir a proteção da biodiversidade. Podem gerar imensas riquezas para a sociedade por meio dos serviços ambientais que produzem e do uso indireto dos seus recursos naturais, como atividades de turismo. Também permitem atividades como pesquisa científica e educação ambiental.

Conheça as categorias:


Parque Nacional

Reserva Biológica

Estação Ecológica

Refúgio de Vida Silvestre

Monumento Natural

Uso sustentável

Nesse grupo estão as áreas que buscam conciliar a conservação da natureza com o uso sustentável dos recursos naturais, permitindo-se atividades coleta e extração de recursos, desde que praticadas de uma forma a garantir perenidade dos mesmos e dos processos ecológicos.

Conheça as categorias:


Área de Proteção Ambiental

Área de Relevante Interesse Ecológico

Floresta Nacional

Reserva Extrativista

Reserva de Fauna

Reserva de Desenvolvimento Sustentável

Reserva Particular do Patrimônio Natural